Livro 'Preto É Rei' convoca artistas visuais baianos para publicação de obras

Inscrições de trabalhos estão abertas até o dia 31

Para dar visibilidade e destaque aos artistas negros da Bahia, a Confraria 27 lança o projeto 'Preto É Rei', que visa a composição de um livro com obras de Artes Visuais de todo o estado. As inscrições de propostas podem ser feitas até o dia 31, em duas categorias, uma para obras já existentes e outra para novas criações.

Os artistas devem propor cinco obras diferentes, enaltecendo a beleza e dinastia do povo preto, podendo ser nos formatos de fotografia, desenho, colagens e/ou pinturas. O edital com todos os detalhes e os formulários de inscrição podem ser acessados nas redes sociais da equipe: Instagram (@confraria_27) e Facebook.com/confrariadanca27.


O projeto surge da inquietação de Rafael Sisant, artista preto e CEO da confraria 27. Após discussões sobre racismo entre os integrantes da equipe, eles propõem a criação de um produto que traz a figura do negro para um espaço de poder. “A ideia é enaltecer a realeza do povo preto, existentes no nosso DNA e que nos foi negada historicamente pela narrativa oficial da história do Brasil”, afirma. 


As obras selecionadas farão parte do livro 'Preto É Rei', que terá versões impressa, audiobook e virtual. Serão chamados entre cinco e sete profissionais que receberão um prêmio de R$ 1.000,00 (mil reais) e exemplares da publicação. O resultado da convocatória está previsto para o dia 05 de fevereiro. Dúvidas podem ser tiradas através do e-mail projetopretoerei@gmail.com.


A proposta também contempla aspectos sociais com a distribuição de livros para instituições públicas e sociais, além de garantir a acessibilidade comunicacional através da versão auditiva. “O impacto desse projeto na vida dos envolvidos será significativo, estaremos gerando renda através da premiação das obras, movimentando o mercado cultural baiano e garantindo a possibilidade de representatividade em materiais artísticos que podem servir como instrumentos didáticos nas mãos certas”, comenta Sisant. 


O projeto é incentivado pelo Edital Jorge Portugal do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal. 





Página anterior Próxima página
publicidade