Espetáculo O Último Capítulo volta a cartaz com projeto Tem Psicoterapeuta na Plateia

Por Juci Ribeiro 

Machado de Assis foi montada em 2018 como marco de 15 anos de carreira do premiado ator Danilo Cairo (Grupo Toca de Teatro)

Serviço
O quê: O Último Capítulo - solo com Danilo Cairo
Quando: 04, 11 e 18 de setembro, 20h
Onde: Sala do Coro do Teatro Castro Alves 
Ingresso: R$ 30 inteira e R$ 15 meia – disponíveis para compra no site www.ingressorapido.com.br
 

Integrando a campanha nacional SETEMBRO AMARELO, a montagem O Último Capítulo - solo com o premiado ator baiano Danilo Cairo, inspirado no conto escrito em 1883 por Machado de Assis – volta a cartaz para curta temporada nos dias 04, 11 e 18 de setembro, às 20h, na Sala do Coro. 

Com o objetivo de reforçar e potencializar a importantíssima campanha, o projeto realizará diariamente o bate-papo TEM PSICOTERAPEUTA NA PLATÉIA, com dois profissionais da área de psicologia sobre o tema abordado na obra: suicídio. A ação conta com o apoio do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Núcleo de Estudo e Prevenção ao Suicídio (NEPS) e da Associação Brasileira de Estudo e Prevenção ao Suicídio (ABEPS).

A montagem baiana incorpora à atmosfera tragicômica do texto um tom intimista, interativo e contemporâneo, que caminha sobre o terreno misterioso da representação do narrador-suicida Matias Deodato – um bacharel em Direito que se afirma como “um grande caipora, o mais caipora de todos os homens”, um azarado que acredita acumular na vida uma sequência de infortúnios que justificam a sua decisão. 

Para isso, Mathias decide montar um espetáculo de teatro com o objetivo de encenar o seu último dia, compartilhando com o público as histórias da sua vida e pensamentos sobre o sentido da existência, a metáfora da morte, as contradições do amor, as heranças da família e questionando o que vem a ser a felicidade e quais são os motivos que nós temos pra se manter vivos nos dias de hoje.

“Cansado e aborrecido, entendi que não podia achar a felicidade em parte nenhuma; fui além: acreditei que ela não existia na terra, e preparei-me desde ontem para o grande mergulho na eternidade. Será que a vida que a gente constrói não passa de um sonho? De um espetáculo? ” pergunta- se a personagem.

A partir desse enredo, de passagens autobiográficas e de questões que abordam esperança, amizade, contradições, realização, sonho, vida e morte, o ator Danilo Cairo vai assumindo diversas subjetividades e tecendo sua relação com o universo machadiano e a plateia; entrelaçando ficção, memória e realidade.   

O espetáculo, montado em 2018 para comemorar os 15 anos de carreira do ator Danilo Cairo, tem direção de Kleber Sobrinho e Rui Manthur, o espetáculo reinventa o próprio conto, ao explorar a metalinguagem e as interfaces ficcionais que podem nascer das possíveis identidades, defendidas pelo intérprete, para recontar e mesmo recriar essa narrativa, como, por exemplo, transpor o local de nascimento do protagonista, Matias Deodato, de Corumbá (Mato Grosso do Sul) para o Recôncavo Baiano; ou ainda inserir memórias familiares que dialogam com as experiências da personagem. 

O texto é do próprio ator e do dramaturgo Daniel Arcades, vencedor na categoria Texto do Prêmio Braskem de Teatro 2016. A obra propõe conectar essa história com dramas da atualidade e referências locais. Um olhar para a percepção da felicidade nos aspectos simples da vida. Sinalizar para a dimensão do que é contar com um amigo ou amiga em momentos limites da vida. Falar de aflições para quem sabe se fortalecer, renascer e transformar-se. Mudar e reconfigurar o caminho.

Setembro Amarelo
O Brasil registra um suicídio a cada 45 minutos, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Na Bahia, de acordo com os mesmo dados, uma pessoa se suicida diariamente. Com isso, o Toca de Teatro propõe a realização das três primeiras edições do TEM PSICOTERAPEUTA NA PLATÉIA: um projeto artístico formativo que prevê a realização de apresentações de O Último Capítulo mais um bate-papo com dois profissionais da área de psicologia de linhas distintas. 

Os especialistas mediarão uma conversa  com o público sobre o tema abordado na obra, ampliando as possibilidades de diálogos e aprofundamentos sobre o assunto apresentado. No dia 04 de setembro, o tema é Suicídio e as Relações Pessoais, com os psicólogos Avimar Júnior e Luca Tateo. Já no dia 11 de setembro, as convidadas Ludimila Nunes, Soraya Carvalho e Maria José Carvalho falarão sobre Suicídio na Adolescência.

Por fim, no dia 18 de setembro, o tema do bate-papo é Suicídio e a Espetacularização na Era Digital, com os especialistas Maria Virgínia Dazzani e Marcelo Veras. A campanha nacional SETEMBRO AMARELO, uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida, do Conselho Federal de Medicina e da Associação Brasileira de Psiquiatria. O bate-papo também contará com a participação de representantes dessas instituições, que apoiam o projeto idealizado por Danilo Cairo.

SOBRE DANILO CAIRO 
Bacharel em Artes Cênicas - Interpretação Teatral pela Universidade Federal da Bahia, atuou em espetáculos como NARCISSUS (Direção: Carmen Paternostro), BULULU  (vencedor do Prêmio Braskem de Teatro como Melhor Ator do ano e Espetáculo Adulto), COMPADRE DE OGUM (Direção: Edvard Passos), BARTOLOMEUS (Texto e Direção: Moncho Rodriguez), indicado duplamente ao Prêmio Braskem de Teatro como Melhor Ator, OUTRA TEMPESTADE (Direção: Luis Alberto Alonso), BERLINDO (Grupo Finos Trapos), ATIRE A PRIMEIRA PEDRA (Direção: Luiz Marfuz) que recebeu 04 indicações ao Prêmio Braskem de Teatro, O MUNDO ENCANTADO DA LEITURA (Direção: João Lima), A MORTE NOS OLHOS (Direção: Carol Vieira), PRIMEIRO DE ABRIL (Texto e Direção: Gordo Neto), PÍRAMO E TISBE (Direção: Luciano Sanctus), entre outros. Entre os principais trabalhos no cinema estão os filmes: LEÃO MARINHO (Direção: Danilo Scaldaferri) e A FINADA MÃE DA MADAME (Bernard Attal).

SOBRE O TOCA DE TEATRO 

É um coletivo de atores/realizadores artísticos que surgiu a partir do encontro de jovens artistas, de origens e formações distintas, na Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia no ano de 2006. Em 2008 o grupo se consolidou profissionalmente com a estreia do espetáculo musical ATIRE A PRIMEIRA PEDRA (Direção: Luiz Marfuz) e vem desenvolvendo um trabalho contínuo de formação, pesquisa e produção teatral vinculado ao treinamento e capacitação dos atores. Os atores também acompanham a produção de todas as atividades artísticas desenvolvidas em parceria com diversos diretores, produtores, técnicos e outros artistas especialmente convidados para os projetos. Trabalhando com profissionais renomados no ambiente artístico-cultural. O Toca de Teatro vem desenvolvendo um trabalho de formação e pesquisa teatral, centrado no intérprete, tendo como ponto de partida o diálogo entre poéticas contemporâneas brasileiras. Entre os principais espetáculos estão:  BULULU  (vencedor do Prêmio Braskem de Teatro como Melhor Ator do ano e Espetáculo Adulto), LAUDAMUCO (Direção: Moncho Rodriguez), indicado ao Prêmio Braskem de Teatro como Melhor Ator, Espetáculo e Atriz Revelação, AMNÉSIS - Uma busca intencional pela lembrança  (Direção: Meran Vargens), entre outros.
Página anterior Próxima página
publicidade