Jardim vertical: tendência sustentável que domina o mundo da decoração

Por Juci Ribeiro

A vida urbana é intensa e muitas vezes cinza. O verde tão característico do nosso país deu lugar aos arranha-céus, além de muito, mas muito concreto por todos os lados.

Então, para tentar driblar este comportamento tão cosmopolita, o escritório THREE Arquitetura, comandado por Edilza Suzart e Filipe Cady, explica sobre a forte tendência no paisagismo mundial através da presença dos jardins verticais, conhecidas como “paredes verdes”, que estão presentes em diversos países e já provaram que não estão apenas de passagem, mas que vieram para ficar, projetadas com o intuito de encontrar maneiras de aproximar a natureza ao cotidiano do mundo urbano.

Os jardins verticais melhoram a estética da cidade e encantam aos olhos de todos que têm o prazer de admirá-los. Mas suas principais funções são muito mais nobres, pois contribuem para a qualidade de vida no planeta, já que ajudam na redução dos poluentes do entorno, aumentam a umidade do ar e colaboram até na reciclagem de alguns gases tóxicos, entre tantos outros benefícios.

A vida agitada faz com que as pessoas tenham o desejo de ter áreas verdes cada vez mais próximas delas, pois isso acalma e traz leveza para o ambiente. Antigamente, somente quem morava em casas grandes tinha jardim e o mesmo era cuidado por um jardineiro ou outra pessoa encarregada por isso, fazendo com que ele ficasse distante das pessoas.

Atualmente, esse conceito não existe mais, pois, os jardins verticais são a nova tendência de decoração para casas e apartamentos e não precisa de um profissional para cuidar. Eles são formados por uma estrutura onde se aplicam de diferentes maneiras, infinitas possibilidades de combinações de plantas, fixados em muros ou suspensos por suportes instalados na vertical, criando assim painéis verdes com plantas diversas ou plantas em suportes espaçados, sem que haja separação entre elas.

De acordo com a arquiteta e paisagista Edilza Suzart, “cores, tipos de folhas, aromas, texturas entre outras características devem ser observadas para melhor aproveitamento do espaço. Os jardins verticais podem prolongar e aumentar a sensação de aconchego e leveza, e é ideal montar em pequenas áreas, porque ocupa apenas o espaço da parede, não tendo necessidade de ter um ambiente só para a criação de um jardim”.

Para atingir o objetivo de se sentir relaxada com um jardim vertical, é fundamental que a escolha das plantas seja feita de forma correta, para que haja a sintonia perfeita, por isso, o planejamento deve levar em consideração o porte dos vasos, a quantidade de substrato, a insolação e o microclima. O substrato é um fator a ser observado, pois ele garantirá o fornecimento de nutrientes e como consequência, um maior embelezamento das plantas.

Ele deve ser reaplicado periodicamente para garantir uma boa adubação. É também de suma importância que o sistema de drenagem esteja funcionando perfeitamente. Para garantir que tudo está correto, é necessário contar com a expertise de um paisagista profissional, que fará todo o tipo de trabalho, criando harmonia entre as plantas e o lar.

“Se o jardim vertical for de área ensolarada é importante prever um horário diário para a rega ou, se possível, considerar um sistema de irrigação que facilita a preservação das áreas verdes. Em áreas sombreadas, a necessidade de rega é menor e não compromete tanto a sua manutenção. De modo geral, as regas devem ser antes das 10h e após as 16h, mas nunca após o pôr do sol, para evitar o surgimento de fungos e bactérias”, afirma Suzart.

As plantas mais adequadas para áreas de sombra são a Samambaia, Asplênio, Peperômia, Chifre de Veado, Bromélias, Columéia, Singônio e as para áreas de sol pleno são Aspargo Pluma, Russelia, Lambari, Trapoeraba, Orégano, Barba de Serpente e Brilhantina.

Segundo o arquiteto Filipe Cady, “podemos dizer que não existe regras para fazer um jardim vertical e sim inspirações que podem ou não se encaixar dentro do seu ambiente. De maneira geral, claro, é preciso que as plantas escolhidas sejam dispostas de um modo que consigam sobreviver no ambiente verticalizado, com os cuidados corretos”.

Para fazer um jardim vertical você pode usar suportes como pallets, caixotes de feiras, pequenos vasinhos pendurados no teto ou então uma estrutura de ferro, do tipo treliça. Aí então, vai da sua criatividade dispor as plantas que deseja, fazendo uma verdadeira parede verde. Vale lembrar que cada plantinha possui características específicas.

“Antes de sair comprando mudas para o plantio, é importante ter um profissional ao lado para verificar o que o seu espaço em questão oferece para criar um ambiente perfeito para elas. As Samambaias e as Bromélias, por exemplo, precisam de pouca luz e vivem bem à sombra, diferente do Guaimbê, Aspargos e Russélias que precisam de muita luz”, afirma Cady.

O importante em se ter um jardim vertical é deixá-lo de forma mais natural possível, pois as flores vão mudando de acordo com as estações do ano.
Share on Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment