Cortejo-performático feminino LAVAGEM ocorre na alvorada do dia 02 de fevereiro

por Juci Ribeiro

Em seu segundo ano, projeto convoca mulheres e faz performance-oferenda a Iemanjá


Serviço
O quê: Performance LAVAGEM
Período: 02 de fevereiro, às 06h, na Alvorada.
Local: Rua e Praia da Paciência - Rio Vermelho (Saída do Lalá Multiespaço)

Na mitologia dos orixás, após cuidar da loucura que abateu a cabeça de Oxalá, Olorum nomeou a deusa do mar Iemanjá a mãe de toda cabeça da humanidade. O que deu a ela o maior poder dentre os orixás.
Em reverência a essa yabá, as artistas-produtoras da Gameleira Artes Integradas, Raiça Bomfim e Olga Lamas, realizam no próximo dia 02 de fevereiro, data em que se comemora os festejos a Janaina, a partir das seis horas da manhã, o ato performático onde culmina a Oficina-Ação Lavagem. A performance levará um cortejo de mulheres pelas ruas do Rio Vermelho, evocando em suas presenças a "lavagem" das memórias diversas de violências sofridas e impregnadas em seus corpos, nas paredes, calçadas e ruas da cidade. O cortejo segue até a beira mar, onde essa pequena multidão de mulheres fará a entrega/oferenda de suas cabeças cobertas de flores à Rainha das águas.
O ato performático acontecerá na Alvorada de Iemanjá, saindo do Lalá Multiespaço em direção à Praia da Paciência.
A atriz e jornalista Mônica Santana, premiada pelo seu solo Isto Não é Uma Mulata, declara que o projeto é uma experiência muito potente e um espaço de troca, não somente artística e sim política e social. Falando sobre sua participação no ano passado, reflete a performer que tem um trabalho artístico voltado para o feminismo negro: “Cada mulher trouxe seus olhares, alegrias e tristeza. Extrapola o lugar do racional, pois abre outros canais de percepção e compartilhamento. Lembrando que não é um rito religioso e sim uma performance artística”.

Oficina
Para chegar a performance, as facilitadoras Olga Lamas e Raiça Bomfim realizaram durante quatro dias atividades artísticas focadas no encontro e integração entre as mulheres participantes, experimentando voz, movimento, palavra, presença. Evocações de memórias, segredos, dores, gozos, de silêncios e gritos em comunhão. O processo transcorreu em sala de ensaio, na rua e na praia.
Olga explica que no cortejo-oferenda de LAVAGEM, cada mulher compõe o percurso com a cabeça coberta de flores, sem os pudores e traços que a exposição da rostidade impinge. A inspiração para as cabeças de flores vem de sua performance Sagração (2014). Neste coletivo de corpos e na tensão de seus estados, na flexão de seus caminhos, na produção intermitente de conexões e diferenças, vemos emergirem novos modos de agrupamento e escuta”, completa.
As pesquisas artístico-acadêmicas de Raiça, sobre a poética da dissolução, e de Olga, sobre o silêncio, enriquecem o projeto. Neste último, o silêncio é sinônimo de abertura e convocação à empatia: “Silêncio que é também barulho, ausência que pode ser presença, pausa que engloba movimento”.
Já a poética da dissolução de Raiça Bomfim, nasce do cruzamento de uma poética da água e uma poética da loucura, que se materializa nos corpos criativos em qualidades de fluxo, trânsito, abandono, disrupção, desorientação e vertigem. “Essas qualidades terminam por dissolver as divisas entre teatro, dança e performance, entre arte e vida, entre teoria e prática, entre visível e invisível, entre condução e desorientação, entre movimento e descanso, entre casa e rua, entre silêncio, palavra e som”, explica Bomfim.

Gameleira
Olga Lamas e Raiça Bomfim são as artistas-produtoras da Gameleira Artes Integradas, criada em 2015 em Salvador/BA.  Oriundas de experiências de trabalho em coletivos cênicos - Olga no Núcleo VAGAPARA e Raiça no Alvenaria de Teatro - decidem criar a Gameleira à maneira de um território de articulações artísticas, associando criações autorais, cooperações criativas e produção.
A Gameleira têm realizado ações continuadas de estímulo, produção e difusão de projetos artísticos cujos discursos, propostas e/ou formatos perpassam questões sobre decolonização, afirmação de subjetividades historicamente silenciadas, democratização das artes e fortalecimento de vanguardas artísticas; estabelecendo parcerias e colaborações com foco no fortalecimento de lideranças femininas e na presença de mulheres nos campos de articulação, gestão e produção artística.
Dentre seus principais projetos e ações realizadas estão: Tristes, Loucas e Más: Festival de Mulheres em Cena (2017 - Salvador/BA), em que a Gameleira assina concepção, curadoria, coordenação de produção e realização. O festival contou com o patrocínio da CAIXA via Programa CAIXA de Apoio a Festivais de Teatro e Dança 2016. Outro projeto foi Loucas do Riacho (2017 – Salvador/BA), em que assumiram a criação, produção e realização, com o apoio financeiro da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia - SECULT/BA, dentro do qual ocorreu a primeira edição da Oficina-Ação Lavagem.
A montagem Ofélia: Sete Saltos Para se Afogar (solo de Raiça Bonfim, em 2015, indicada à categoria Revelação do Prêmio Braskem de Teatro 2016) e as performances Sagração Sirva-se (de Olga Lamas, de 2014 e 2011, respectivamente), são outras realizações autorais da Gameleira. 
Para saber mais informações dos trabalhos da Gameleira Artes Integradas: www.gameleiraintegra.com | www.facebook.com/gameleiraintegra | @gameleiraintegra.

Share on Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário